• Página Inicial
  • Palestra
  • Como correu...
  • Herói da semana
  • Vilão da semana
  • Entrevista
  • Como correu...: Dinamo de Zagreb 0 x 2 FC Porto

    18/09/2012
    O Futebol Clube do Porto venceu em Zagreb, a equipa da casa, o Dinamo de Zagreb, por duas bolas a zero, golos de Lucho, ao minuto 41, e de Defour, já nos descontos (minuto 92).

    O nosso Porto esteve longe de fazer ópera. No entanto, a nossa equipa estava consciente disso mesmo. Reparou desde cedo, que bastava gerir bem a bola, e realizou isso mesmo, acelarando apenas nalgumas situações de jogo, para tentar marcar. E podíamos ter ganho por mais golos. Contudo, também podíamos ter sofrido, se não fosse São Helton. Foi o jogo necessário para garantir o objetivo, os três pontos.

    O Porto desde cedo iniciou o seu jogo, o da posse de bola, acampando no meio campo adversário. No entanto, o nosso trio ofensivo não deixou uma boa marca, havendo consecutivamente cruzamentos sem nexo na esperança vã de alcançar um canto. James e Varela lá iam tentando fazer as suas diagonais, assim como Alex Sandro, (Miguel Lopes ia mais à linha), mas sem um resultado prático.

    O golo chegou perto do intervalo, quando numa boa jogada de entendimento entre James e Alex Sandro, este cruza, sobrando a bola, após desvio do guarda-redes, para Lucho que, após uma boa desmarcação, faz o primeiro.

    O Porto ia para intervalo consciente do jogo que tinha realizado até àquela altura. Percebeu que bastava gerir o jogo com cuidado, nunca deixando de dominar o mesmo. E o golo chegou, previsivelmente.

    Na segunda parte, o Porto continuou a controlar de forma clara, contudo passou por momentos complicados, pois Sammir e companhia, tentaram o golo, sendo que duas dessas oportunidades foram negadas por Helton, que esteve fenomenal, tanto nas suas defesas, como a lançar os jogadores lá à frente. O golo do Porto chegou nos descontos, de forma natural, quando o Dinamo já estava desesperado.

    É necessário referir que o Dinamo tem muito, mas muito que evoluir. Não consegue ser perigoso o suficiente, e não se pode esconder durante o jogo todo. Contudo, considero que Sammir e Vida são jogadores essenciais para a equipa.

    Sintecamente, foi um jogo que podia ter sido melhor, pois podíamos (e, talvez, devessemos ter marco tendo em conta o adversário) ter construido um resultado mais volumoso. Mas dominámos, controlámos e conquistámos os três pontos. Tendo em conta as circunstâncias, nomeadamente a pausa que a equipa teve, e a falta definitiva de Hulk, que abandonou a equipa, e a temporária de Fernando (ainda que Defour tenha jogado muito bem, sendo muito melhor a construir que o Polvo), realizámos o trabalho de forma razoavelmente bem.

    Destaques positivos:

    - Helton
    - Defour
    - Lucho (Um absoluto senhor. Esteve muito bem e marcou. Ficará espantado ao saber que o seu pai faleceu horas antes da partida)
    - Controlo coletivo do FC Porto

    Destaques negativos:

    - Moutinho (não esteve ao seu melhor nível)
    - Trio ofensivo. É necessário destacar que quem esteve particularmente mal foi Jackson, que foi muito lento naquela oportunidade claríssima na boca da baliza. Se bem que quando caiu devido a Tonel, devia de ter sido marcado o penalty e respetivo vermelho mostrado.

    3 comentários:

    1. Anónimo disse...:

      Muito bem. Boa crónica!

    1. Anónimo disse...:

      Excelente crónica. Muito objectiva. Parabéns

    1. Silva Pereira disse...:

      Boa tarde,

      tenho alguma dificuldade em compreender (talvez por ter sido GR) tantos elogios ao Helton, vejamos na 1º intervenção a bola está a menos de 1/2 metros do poste e um GR com determinação blocava a bola sem dificuldade, na 2ª intevenção deveria ter sido também resolvida fácilmente, criou dificuldades que resolveu com alguma dificuldade, eu defendo que deveria dar lugar ao Fabiano. Fica preso entre os postes e deixa tudo para ser resovido pelos colegas.
      Outra coisa que não percebo é a razão do JM marcar sempre as bolas paradas, são sempre inócuas, fico com a sensação que é o dono da bola, aliás acho também que o VP não tem qualquer alternativa de treino independentemente do adversário.

    Publicar um comentário